Ignorar Comandos do Friso
Saltar para o conteúdo principal
quarta-feira, 21-02-2018
PT | EN
República Portuguesa-Cultura Homepage DGLAB

Skip Navigation LinksOmonstroquersangue

O monstro quer sangue

O monstro quer sangue
A Águia
Data :
01/01/2015
Poema publicado por Gomes Leal (1848-1921) na revista A Águia, de abril/junho de 1916, dedicada à participação de Portugal na Grande Guerra.

O MONSTRO QUER SANGUE

O estado do Homem é o da guerra.
Hobbes


PEDEM sangue da Terra os intestinos,
da Terra, a nossa Mãe, a nossa Fúria,
desde o antigo Kain até à Etruria,
e da Etruria até vós, ó vós, latinos!

Ella quer sangue com tambores e hinos,
quer seja nas regiões da Mandchúria,
quer seja sobre os Alpes e Apeninos,
quer sangue, sempre sangue, a Velha espúria.

Tristes filhos da Terra, ó desgraçados,
matae-vos uns aos outros com terçados,
e cobertos de sangue e cicatrizes.

Ai de vós! largos anos, largas éras,
matae-vos, como monstros, como féras,
– O vosso sangue é util às raizes.

12-4-916


in A Águia, abril/junho de 1916, p. 116


 

Ver mais «Autores e a Guerra» em  É a guerra; Naulila 19141914!, Portugal e a Guerra e a Orientação das Novas Gerações e Durante a Guerra -  Dezembro de 1914.