Ignorar Comandos do Friso
Saltar para o conteúdo principal
quarta-feira, 21-02-2018
PT | EN
República Portuguesa-Cultura Homepage DGLAB

Skip Navigation LinksOde-marcial

Ode marcial

Ode marcial
Data :
15/01/2018

​Excerto da Ode Marcial de Álvaro de Campos. No Arquivo Pessoa.
[Álvaro de Campos (pormenor). 1958. Mural Fac. Letras de Lisboa, Almada Negreiros (1893-1970).]







ODE MARCIAL

Inúmero rio sem água — só gente e coisas,

Pavorosamente sem água!

Soam tambores longínquos no meu ouvido,

E eu não sei se vejo o rio se ouço os tambores,

Como se não pudesse ouvir e ver ao mesmo tempo!

Helahoho! helahoho!

A máquina de costura da pobre viúva morta à baioneta...

Ela cosia à tarde indeterminadamente...

A mesa onde jogavam os velhos,

Tudo misturado, tudo misturado com corpos, com sangues,

Tudo um só rio, uma só onda, um só arrastado horror.

Helahoho! helahoho!

Desenterrei o comboio de lata da criança calcado no meio da estrada,

E chorei como todas as mães do mundo sobre o horror da vida.

Os meus pés panteístas tropeçaram na máquina de costura da viúva que mataram à baioneta

E esse pobre instrumento de paz meteu uma lança no meu coração.

Sim, fui eu o culpado de tudo, fui eu o soldado todos eles

Que matou, violou, queimou e quebrou.

Fui eu e a minha vergonha e o meu remorso com uma sombra disforme

Passeiam por todo o mundo como Ashavero,

Mas atrás dos meus passos soam passos do tamanho do infinito.

E um pavor físico de encontrar Deus faz-me fechar os olhos de repente.

Cristo absurdo da expiação de todos os crimes e de todas as violências,

A minha cruz está dentro de mim, hirta, a escaldar, a quebrar

E tudo dói na minha alma extensa como um Universo.

Arranquei o pobre brinquedo das mãos da criança e bati-lhe.

Os seus olhos assustados do meu filho que talvez terei e que matarão também

Pediram-me sem saber como toda a piedade por todos.

Do quarto da velha arranquei o retrato do filho e rasguei-o.

Ela, cheia de medo, chorou e não fez nada...

Senti de repente que ela era minha mãe e pela espinha abaixo passou-me o sopro de Deus.

Quebrei a máquina de costura da viúva pobre.

Ela chorava a um canto sem pensar na máquina de costura.

Haverá outro mundo onde eu tenha que ter uma filha que enviuve e a quem aconteça isto?

Mandei, capitão, fuzilar os camponeses trémulos,

Deixei violar as filhas de todos os pais atados a árvores,

Agora vi que foi dentro de meu coração que tudo isso se passou,

E tudo escalda e sufoca e eu não me posso mexer sem que tudo seja o mesmo.

Deus tenha piedade de mim que a não tive de ninguém!

s.d.

Poesias de Álvaro de Campos. Fernando Pessoa. Lisboa: Ática, 1944 (imp. 1993).

  - 304.


............................................................................................................................................................................................

Ver mais Autores e a Guerra em: É a guerraNaulila 19141914!Portugal e a Guerra e a Orientação das Novas GeraçõesDurante a Guerra - Dezembro de 1914O Monstro quer SangueA RevoltaO VoluntárioCarta pública ao tenente Aragão, prisioneiro de guerraDo Diario d'hum soldadoPacifismo e militarismoA Bélgica; «- Podiam ter sido irmãos, mas foram fratricidas!...»; A Nau CatrinetaA guerra actual é uma guerra entre dois princípios sociológicosQuim e Manecas na I Guerra MundialOs Zeppelins sobre Paris; Batalha do MarneEdith CavellO Génio do PovoNas Trincheiras da FlandresPor que motivo Portugal tomou parte na guerraFritz e BertaUma figura d'inglezCanção do SoldadoO MutiladoBarra ForaNatal de guerra,  O bom humor no C. E. P.As Tempestades da GuerraJornal de um PrisioneiroSoldado que vaes a guerraA LibertaçãoAo soldado desconhecidoPrimeiro Morto;  O bravo alféres miliciano Hernani CidadeDiário de Guerra (1917-1918); Pela Pátria e O Meu Diário de Campanha.