Ignorar Comandos do Friso
Saltar para o conteúdo principal
terça-feira, 21-11-2017
PT | EN
República Portuguesa-Cultura Homepage DGLAB

Skip Navigation LinksMorreu-Armando-Silva-Carvalho

Armando Silva Carvalho (1938-2017)

Armando Silva Carvalho (1938-2017)
Data :
01/06/2017

​Poeta e tradutor, Armando Silva Carvalho morreu esta manhã (1 de junho) nas instalações da Santa Casa da Misericórdia das Caldas da Rainha.


​Poeta, ficcionista e tradutor. Licenciado em Direito, pela Universidade de Lisboa, depois de uma passagem fortuita por Filosofia, Armando Silva Carvalho exerceu advocacia durante um curto período. Depois foi jornalista, professor do ensino secundário e técnico de publicidade.

Oriundo do grupo que fez a Antologia de Poesia Universitária (1959?), ao lado de Ruy Belo, Fiama, Luiza Neto Jorge, Gastão Cruz e outros, estreou-se com Lírica Consumível (1965), que em 1962 havia recebido o Prémio Revelação da Sociedade Portuguesa de Escritores. Pode-se dizer que esse livro foi o começo de uma obra poética «construída com grande rigor de expressão e uma secura de ritmos e prosódia que manifesta na técnica de composição o essencial do seu significado» (Maria Alzira Seixo). A mordacidade, o sarcasmo e a figuração das pulsões sexuais, são timbre de uma escrita – poética e ficcional – frequentemente apostada na denúncia dos vários interditos e das hipocrisias sociais e políticas. Na ficção, por exemplo em Portuguex (1977), a subversão verifica-se «a todos os níveis da mitologia cultural lusíada e na tentativa de reformulação em termos simbólicos, os únicos próprios da escrita romanesca, de uma imagem interna da aventura nacional» (Eduardo Lourenço). 

Personalidade discreta da vida literária portuguesa, é autor de uma obra de grande coerência formal, centrada no radicalismo de algumas opções bem caracterizadas. A partir do início dos anos sessenta colaborou nas mais variadas publicações: Diário de LisboaJLO Diário, Poemas LivresColóquio-LetrasHífenAs Escadas Não Têm DegrausSílexNovaLimiar, Via LatinaLoreto 13, entre outras. 

Desde que António Ramos Rosa o incluiu na 4ª. série das Líricas Portuguesas (1969), chamando a atenção para o facto de a sua poesia ser «essencialmente antilírica e refractária a todas as formas de expressão subjectiva», Armando Silva Carvalho está representado na generalidade das antologias de poesia portuguesa. 

Entre as suas traduções mais relevantes, devem citar-se obras de Beckett, Duras, Cesaire, Voznesensky, Genet, E. E. Cummings, Aleixandre e Mallarmé. Até Alexandre Bissexto (1983) assinou Armando da Silva Carvalho.

(do Dicionário Cronológico de Autores Portugueses, vol. VI, 1999)