Ignorar Comandos do Friso
Saltar para o conteúdo principal
domingo, 21-01-2018
PT | EN
República Portuguesa-Cultura Homepage DGLAB

Skip Navigation LinksPesquisaAutores1

Biografia

Biografia
                  

Luísa Ducla Soares  
[Lisboa, 1939]  

Luísa Ducla Soares
Considerada uma das mais relevantes escritoras portuguesas na área da Literatura Infantil, Maria Luísa Bliebernicht Ducla Soares de Sottomayor Cardia esteve ligada ao grupo da revista Poesia 61 – que pretendia fundar em Portugal uma escola poética de cariz experimentalista, alternativa ao neo-realismo e ao surrealismo então em voga – e estreou-se em 1970 com o volume de poesia Contrato, embora poemas seus já surgissem em várias revistas e jornais desde 1951.

Em 1973 recusou, por razões políticas, o Grande Prémio Maria Amália Vaz de Carvalho, do Secretariado Nacional de Informação (SNI), atribuído ao seu primeiro livro para crianças, A História da Papoila (1972).

Dedicou-se, desde então, à literatura para a infância e juventude, não só enquanto escritora mas também como estudiosa, participando regularmente em congressos e em projectos de divulgação e animação cultural em escolas e bibliotecas. Luísa Ducla Soares considera que o contacto directo com o público infantil é da maior importância para a promoção da leitura: «A escrita para crianças tem de ser, antes de mais, comunicação, e a recepção deles é essencial para que eu perceba se uma mensagem passa ou não.»

No decurso da sua actividade profissional – é assessora e responsável pela Área de Pesquisa e Informação Bibliográfica da Biblioteca Nacional – desenvolveu trabalhos de investigação bibliográfica com vista à organização de diversas exposições e catálogos sobre Literatura Infantil.

Saliente-se ainda a participação da autora, por convite de João de Lemos, no suplemento infantil do Diário Popular (1972-1976) – em «O Doutor Sabichão» e depois no «Sábado Popular» – periódico onde surgiram diversos contos seus, tendo vários outros sido completamente cortados pela Censura. Foi este o caso de «O soldado João», no qual a autora abordava o problema da guerra colonial; o conto seria editado mais tarde, em volume autónomo.

Luísa Ducla Soares participou na revista didáctica Rua Sésamo (1990-1995) e os seus textos de ficção, poesia, artigos e crónicas surgem regularmente na imprensa portuguesa.

Segundo a autora, os livros de Júlio Verne e de Eça de Queirós estiveram na origem do seu gosto pela leitura e pela escrita. Durante as Comemorações do Centenário da morte do autor português (2000), homenageou-o através da publicação de três livros dedicados aos jovens: Com Eça de Queirós à roda do Chiado (1999), Com Eça de Queirós nos Olivais no ano 2000 (2000) e Seis Contos de Eça de Queirós (2000). «Convidei os meus leitores a passear pelos locais de Lisboa que o Eça refere. Fiz, assim, um roteiro da Lisboa queirosiana à volta do Chiado. [...] O meu objectivo foi abrir o apetite para ler o Eça a um público onde geralmente não chega – as crianças, que, no entanto, são muito sensíveis ao seu humor.»

O mesmo humor que, aliado à fantasia e ao non-sense, constitui uma das marcas distintivas da obra da autora: a irreverência da narrativa, chamando a atenção do leitor para situações absurdas e comportamentos determinados pelo preconceito, desmontados através de jogos de palavras, contribui para a tomada de consciência, por parte dos jovens, de uma multiplicidade de possíveis interpretações do mundo em que vivem.

A par das actividades referidas, Luísa Ducla Soares escreveu o guião dos vinte e seis capítulos que constituem «Alhos e Bugalhos», série televisiva sobre a língua portuguesa, transmitida pela RTP durante as Comemorações do Ano Europeu das Línguas (2001). No campo musical editou, em 1999, um CD intitulado 25, com letras de sua autoria e música de Susana Ralha. A UNICEF e a OIKOS organizaram em 1990 uma maleta pedagógica baseada no conto «Meninos de todas as cores», como apoio ao projecto escolar e exposição «Um Mundo de Crianças».

Actualmente, Luísa Ducla Soares concebe e realiza a «Página dos Mais Novos» do site da Presidência da República Portuguesa na Internet.

Autora muito apreciada pelo público e pela crítica, Luísa Ducla Soares viu em 1986 o seu livro 6 histórias de encantar receber o Prémio Calouste Gulbenkian de Literatura para Crianças pelo Melhor Texto do Biénio 1984-1985. Dez anos mais tarde foi-lhe atribuído o Prémio Calouste Gulbenkian pelo conjunto da sua multifacetada obra.

Em 2004 foi nomeada para o Prémio Hans Christian Andersen da IBBY (International Board on Books for Young People), geralmente considerado o Prémio Nobel da Literatura para a Infância.
Centro de Documentação de Autores Portugueses
04/2004